O desejo de trocar de carro anda junto ao brasileiro, não tem jeito. Por natureza, ele está sempre à procura de um bom negócio para mudar o automóvel que está em sua garagem, parece algo inerente à cultura local. O que ocorre é que, às vezes, na pressa de fechar uma boa negociação, ele acaba focando apenas no valor do veículo novo, esquecendo-se de fazer perguntas chaves e que, no futuro, podem fazer uma grande diferença.

Ficar de olho nos classificados do jornal pode até ser considerado ultrapassado, mas novas tecnologias surgiram e, com elas, um novo mundo de oportunidades dos mais diversos tipos. A internet conectou as pessoas e, como consequência, tornou muito mais fácil o contato entre vendedores e compradores, fazendo com que toda a negociação possa ser feita sem intermediários e de forma bem mais rápida.

Ainda assim, é sempre preciso tomar cuidado com alguns quesitos quando se fala de carros, visto que muitos problemas podem estar escondidos e, se você não fizer as perguntas corretas, pode acabar sendo enganado por um bom vendedor. Sendo assim, abaixo você encontrará as 7 principais perguntas que devem ser feitas na hora de trocar seu veículo por outro, diminuindo bastante as chances de você fazer um negócio que se mostre ruim no futuro.

1.   Qual a avaliação de seu carro?

Antes de entrar em uma loja de seminovos e usados, em uma concessionária, ou ainda na casa de um vendedor particular, é necessário que você tenha uma boa noção de quanto vale seu carro e, em seguida, pergunte ao vendedor quanto ele oferece por aquele veículo. Isso deve ser feito para você poder valorizar o seu bem e, assim, conseguir uma boa entrada em seu próximo veículo, diminuindo assim o valor das parcelas, ou ainda conseguindo já quitar o novo automóvel somente com o valor do seu.

Se você tem alguma dúvida sobre como avaliar seu carro, leia o texto publicado aqui no blog da Carprix Qual a melhor maneira de fazer a avaliação de carros?  Lá você encontrará todas as informações necessárias para saber, de fato, o real valor de seu veículo. Com a avaliação feita, avance para o próximo passo.

2.   Esse carro já foi batido?

No momento em que encontrar um carro que lhe pareça interessante, uma pergunta bastante importante a se fazer é sobre o real estado do carro e, principalmente, se ele já se envolveu em algum tipo de acidente. Dependendo da resposta, se faz necessário analisar bem o veículo e confirmar o que foi dito pelo vendedor, visto que, se já houve algum acidente, o trabalho de conserto do automóvel tem que ter sido muito bem feito, para que você não precise arcar com nenhuma despesa no futuro.

Para isso, é interessante primeiramente dar uma boa analisada no veículo, procurando principalmente por amassados, arranhões e má conservação de peças. Se verificar qualquer uma dessas situações — ou mesmo independente disso —, o ideal é chamar um mecânico de sua confiança para avaliar o carro. Lembre-se que você estará fazendo um grande investimento que, provavelmente, custará carro, então cuidado e precaução nunca serão demais.

3.   O carro é objeto de leilão?

Embora apresentem valores extremamente mais baixos que os indicados pela Tabela FIPE — o que por si só chama a atenção de qualquer comprador — carros que passaram por leilões têm algumas características que podem acabar se tornando problemas no futuro. Em primeiro lugar, quando um carro é comprado através desse processo ele não passa por vistoria, o que faz com que a compra acabe sendo às cegas — sim, esse veículo pode ter problemas que ninguém viu até agora.

Além disso, normalmente carros que foram leiloados contam com diversos problemas legais, como falta de pagamento, documentação, entre outros. Sendo assim, é sempre um risco adquirir automóveis desse tipo e acabar, sem querer, arcando com uma dívida ou um processo que não são seus. Nenhuma situação define melhor o ditado “o barato sai caro” do que uma negociação como essa.

4.   A quilometragem é original?

Já é ponto comum que o que define o estado de conservação de um carro não é tanto sua idade, mas sim a quilometragem que ele apresenta no hodômetro. Isso se dá pelo fato de muitos componentes terem sua vida útil calculada através de quilômetros, visto que essa é a melhor maneira de prever seu funcionamento. Sendo assim, confiar no valor que é apresentado pelo vendedor é essencial para que a negociação seja, de fato, benéfica para você.

Infelizmente, a forma mais fácil de descobrir isso é perguntando ao dono do veículo e esperando que ele fale a verdade, já que existem diversas formas comprovadas de forjar tal número. Ainda assim, através de uma análise minuciosa — tanto sua quanto de um mecânico confiável — é possível estimar, através do estado das peças, a real quilometragem do automóvel e se ele apresentará, ou não, problemas em algum componente no futuro.

5.   O veículo possui manual original com revisões?

Principalmente nos casos em que o carro de seu desejo for um seminovo — veículos com até três anos de uso —, é de extrema importância analisar se, junto ao veículo, também serão entregues o manual do proprietário original e a chave reserva. Além disso, as revisões devem ter sido feitas — ao menos as primeiras — na concessionária autorizada da marca, sendo tudo isso carimbado no próprio manual.

Embora pareça algo simples, o que ocorre em situações como essa é que, hoje em dia, as marcas estão dando garantias de fábrica cada vez mais longas, podendo chegar até os seis anos em alguns casos. Se você comprar um veículo mais novo que isso e quiser, por algum motivo, utilizar dessa garantia, somente o poderá se todos os fatores acima estiverem corretos. Sem isso, sem garantia.

6.   O carro passou por vistoria antes de ser colocado à venda?

Novamente chega-se a um ponto que parece óbvio, mas, infelizmente em algumas situações, não é seguido. Qualquer veículo que será vendido deveria, até por uma questão de segurança e transparência, passar por uma vistoria qualificada, atestando que o automóvel esteja em boas condições ou, ao menos, informando o comprador sobre a real situação daquele bem, deixando a ele a decisão de apostar ou não naquilo.

Se a resposta dessa pergunta for não, o ideal é que você peça então por essa vistoria, colocando este ponto como primordial para o fechamento da negociação. Ainda assim, se a loja se recusar a prestar tal serviço, repita o que já foi dito algumas vezes neste texto e chame um mecânico de confiança. Se for para apostar na compra de um veículo seminovo ou usado, ao menos esteja plenamente consciente das condições dele e de possíveis custos que possam aparecer.

7.   A documentação está em dia?

Por fim, mas, definitivamente não menos importante, a documentação do veículo deve estar toda em dia para que você passe este bem para o seu nome. Como dito no caso dos leilões, assumir para si um carro com dívidas, multas ou IPVA e licenciamento vencidos pode trazer a você diversas dores de cabeça que, por si só, já inviabilizariam o processo.

Além deste quesito, também é possível que você tenha um custo muito alto com essas situações, visto que, mesmo para se defender de cobranças indevidas, talvez você tenha que contratar um advogado. Como se sabe, todo o processo no Brasil é bastante burocrático e pode levar um tempo e consumir muito esforço e dinheiro, chegando então, novamente, ao ponto em que o barato pode sair bem caro.

Pergunte antes de trocar de carro

Com todos esses fatores em mente, é de grande importância que você siga esse pequeno manual de perguntas quando for trocar seu carro. Mesmo quando comprar de uma grande loja, concessionária de renome, ou de algum amigo que você confia muito, as perguntas são válidas porque, em determinados casos, o vendedor pode ter se esquecido de checar tais fatos.

A argumentação é essencial em qualquer negociação, e com um carro não seria diferente. Não tenha medo de fazer toda e qualquer pergunta que lhe vier à cabeça, mesmo que ela pareça simples ou óbvia demais. Lembre-se que você é o comprador e tem todo o direito de ter a maior quantidade possível de informações antes de fechar o negócio. É infinitamente melhor perder tempo perguntando no início, do que perder dinheiro tendo que arrumar um carro que acabou de comprar, ou ainda pagar dívidas que nem suas são.

Com essas sete perguntas em sua mente, você já tem o que é necessário para trocar de carro e fazer um ótimo negócio. Agora já pode começar sua pesquisa e encontrar o seu novo brinquedo para guardar na garagem. Se tiver alguma dúvida, sugestão ou comentário, não existe em deixa-lo no espaço abaixo, assim como não se esqueça de seguir a Carprix em todas as redes sociais, ficando assim sempre atento ao que for postado.


Conta pra gente o que você achou!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *