Meu carro é super novo, está com pouca quilometragem, cuido muito bem dele. Certeza que está valendo muito. (amigo, aquele)

Com certeza você já ouviu alguém repetir essa frase por aí, é bastante comum na verdade. O problema dessa situação é que nem sempre o cuidado é levado em consideração na hora de repassar um carro, assim como esses não são os únicos fatores que influenciam no valor de venda de seu querido veículo, que você tomou conta por tanto tempo.

O que ocorre é que diversas são as perguntas que você tem que se fazer nesse momento, e elas podem envolver tanto seu carro quanto você, o local em que você mora e tantos outros pontos. Isso se dá porque é a partir de informações como essa que um avaliador profissional — ou mesmo um consumidor comum — irá chegar a um preço que ele julgue justo por seu automóvel.

Pensando em tudo isso, abaixo estarão listados os principais fatores que incidem na avaliação de seu carro, possibilitando que, aí sim, você possa chegar ao seu amigo e dizer, sem medo de ser feliz “Meu carro vale muito!”.

O que ele significa para mim

O significado sentimental é, sem dúvida alguma, o primeiro erro de uma pessoa ao pensar na avaliação de seu veículo, visto que ela está levando em consideração o valor emocional daquele bem, e não o seu real valor de mercado. Como já foi falado aqui no blog algumas vezes, esse sentimento que você tem por seu automóvel vale, infelizmente, somente para você. Nenhum comprador irá aceitar pagar mais simplesmente porque tal carro tem um grande valor sentimental para o seu dono.

Pensando nisso, é preciso esquecer todas as viagens juntos, os apertos que vocês passaram e as memórias que você tem com o seu amigo de quatro rodas. Nesse momento, é preciso ser racional e entender que, por mais importante que seja o significado daquele item para você, ele ainda é um produto, que desvaloriza como qualquer outro — bem mais, na verdade — e, consequentemente, valerá bem menos quando você for vender.

Ainda nesse pensamento, a melhor coisa é nem pensar em quanto você pagou quando comprou o carro — ainda mais se ele foi financiado, comprado novo, ou os dois —, já que isso te provocará apenas dor e sofrimento. A realidade é que a desvalorização acontece com todos, assim como os altos preços praticados nas concessionárias e, sendo assim, perder dinheiro nesse negócio não é, nem de longe, uma exclusividade sua.

O valor do meu carro

Com tudo isso bem explicado, é possível então focar no valor de mercado de seu carro, ou seja, quanto ele vale, de fato, em uma possível negociação que você for fazer. Há várias formas de se chegar nesse número — muito bem descritas no texto Qual a melhor maneira de fazer a avaliação de carros? —, porém, antes disso, se faz necessário entender como se chegar nesse preço e, principalmente, quais os fatores que fazem esse valor subir ou cair.

Para isso, seguem abaixo cinco dos principais pontos que podem impactar diretamente no valor de seu carro, possibilitando que você faça uma análise bem criteriosa de seu veículo, antes mesmo de começar a pesquisar o seu valor de mercado ou procurar possíveis compradores para seu automóvel.

Somente como observação, esses fatores não estão classificados por ordem de importância, visto que não existe algo do tipo. Cada caso é um caso, sendo que alguns compradores se preocupam mais com um ponto do que com outro.

Marca / Modelo

Não é segredo para ninguém que algumas marcas possuem uma desvalorização muito maior do que outras, assim como determinados modelos — muitas vezes do mesmo fabricante — podem ter reduções de preços muito divergentes entre si. Isso se dá, principalmente, por conta de alguns fatores ligados tanto à imagem da montadora ou do veículo, quanto aos custos de se manter um carro como esse.

Como exemplo, podemos pegar algumas marcas que são conhecidas por terem uma manutenção muito cara — o que nem sempre é um fato —, ou ainda ter uma cesta básica de peças — aquelas que possuem um desgaste natural, precisando ser trocadas com frequência — de valor mais alto. Da mesma forma,  alguns modelos não caíram no gosto do público, o que os torna difíceis de revender, ou ainda — por que não? — são carros que não podem ser confiados, visto que apresentam problemas em diversos lotes.

Quilometragem

A quilometragem vale para o mercado de veículos usados muito mais do que a idade do carro em si, visto que é ela que determina o quão utilizado foi aquele automóvel. Além disso, é através dela que os avaliadores podem calcular quais são os custos que manutenção que eles terão, já que cada componente do carro tem uma determinada vida útil — sempre calculada em quilômetros.

O conceito da quilometragem, entretanto, é bastante subjetivo, existindo pessoas que achem que carros com até 100.000 km estão novos, enquanto outras não aceitam veículos com mais de 30.000 km. Já misturando este tópico com o último, algumas marcas possuem uma melhor reputação quanto à conservação, o que faz com que seus veículos continuem valorizados mesmo depois de uma alta quilometragem.

Itens de série e Opcionais

Quando se vai comprar um veículo novo, é normal iniciar a negociação com a versão mais básica e, consequentemente, mais barata. Depois de alguns minutos na loja, o vendedor começa a oferecer inúmeros pacotes especiais, super tecnológicos e que te fazem ficar com os olhos lacrimejando de tanta emoção. Toda a magia termina quando se falam nos valores de tais itens.

Então, esses opcionais — ou itens de série, dependendo da versão de seu carro —, podem fazer uma grande diferença na hora da revenda, visto que são um diferencial frente a outros modelos. Ar condicionado, vidros e travas elétricas e direção hidráulica / elétrica já se tornaram comuns, aparecendo até como “desvalorizadores” se seu carro não possuí-los. Ainda assim, se seu veículo tiver uma central multimídia, bancos de couro ou até teto solar, é possível sim elevar um pouco seu preço.

Estado de Conservação

Embora pareça óbvio que o estado de conservação de um carro importe muito em seu valor, às vezes as pessoas esquecem que isso não se refere somente ao básico, mas ao carro como um todo. Alguns pequenos detalhes podem acabar por afastar um cliente bastante interessado, o que te faz pensar se não seria melhor arrumar esses problemas antes de colocar o veículo à venda.

Calotas riscadas, amassados na lataria, espelhos retrovisores trincados e pintura gasta são apenas alguns dos exemplos de fatores que podem influenciar diretamente na avaliação de seu carro usado, então gaste um pouco de tempo e dinheiro para que seus possíveis compradores não se assustem logo de cara. Pense bem e se coloque no outro lado da negociação, você pagaria o que se pede por aquele automóvel se estivesse com todos esses pontos citados acima?

Cidade / UF

Este pode ser um ponto que surpreenda alguns dos leitores, e é comum que não o considerem na hora de avaliar um carro. O que ocorre é que determinadas categorias de veículos — como SUVs, sedãs, caminhonetes, esportivos — podem ter melhor aceitação que outros em regiões específicas. Aqui, o que se vê é a simples regra de oferta e demanda, tão falada quando se discute sobre negociações.

Onde é mais fácil vender uma picape grande, 4×4, a diesel, em uma grande cidade ou em uma região rural e rica? Onde é possível encontrar clientes para um esportivo importado com um motor V8, em uma capital ou em uma cidade com 10.000 habitantes e de baixa renda? Pois é, quanto mais clientes em potencial você tiver, mais alto pode ser seu preço — isso é claro, levando também em consideração a concorrência por esse público —, então, por mais que isso assuste, saiba que sim, sua localização pode valorizar ou não seu veículo.

Afinal, qual o valor do meu carro?

Agora que já sabe dos principais fatores que influenciam no valor do seu carro, já é possível entender melhor esse mercado e conseguir — depois de uma análise de seu veículo — encontrar um preço justo por seu usado. Leia também o texto Tudo que você precisa saber sobre como vender um carro para descobrir quais as melhores ferramentas do mercado para avaliar seu automóvel.

Com tudo isso, você estará mais do que preparado para, finalmente, gritar para todo mundo “Vendi meu carro e me dei bem!”. Aproveite o espaço abaixo para deixar seus comentários sobre este texto, assim como qualquer dúvida ou sugestão que você possa ter.

Conta pra gente o que você achou!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *